Indústria de erva-mate catarinense é pioneira no uso de energia solar na América Latina

Erva Mate Gheno, de Concórdia (SC), produz em seu quintal 100% da energia elétrica que utiliza nos processos de industrialização de chá e erva-mate; Engie forneceu sistema fotovoltaico

A indústria Erva Mate Gheno, localizada em Concórdia (SC), é a primeira ervateira da América Latina a usar energia solar na produção de chá e erva-mate. O sistema inaugurado em dezembro do ano passado foi fornecido pela Engie e conta com 62 placas fotovoltaicas já instaladas e espaço para mais outras 22 a serem colocadas futuramente. A capacidade de geração é de 16,43 kWp, o suficiente para suprir 100% das necessidades da empresa, o que faz movimentar cerca de 36 motores da linha de produção, além das lâmpadas de iluminação.

A estrutura que sustenta os painéis solares fica numa área protegida por cercas às margens da estrada que dá acesso ao Parque Estadual Fritz Plaumann, área de preservação ambiental que faz divisa com a propriedade da família Gheno na Linha Sede Brum, interior do município. “Os painéis são nosso cartão de visitas. Eles foram instalados em frente à fábrica, bem visíveis por todos, pois estamos muito orgulhosos desse investimento e muito seguros do seu retorno” explicou o diretor Gilnei Gheno. “Usamos energia limpa, contribuímos para a preservação ambiental e economizamos energia. Este é mais um dos nossos diferenciais”, completou.

Foto: Divulgação

O pioneirismo da ervateira catarinense é destacado pelo presidente da Engie Geração Solar Distribuída, Rodolfo de Sousa Pinto, “O setor agroindustrial é um importante parceiro da Engie e ficamos sempre muito satisfeitos em poder participar de projetos inovadores como é o caso da propriedade da família Gheno”, declarou. “A energia solar é sem dúvida um recurso plenamente disponível e viável que veio para impulsionar ainda mais o agronegócio brasileiro”, complementou.

O sistema fotovoltaico do local é ligado à rede da concessionária Celesc. A sobra da energia que é gerada e não utilizada é depositada na rede e transformada em créditos que serão utilizados pela empresa quando a sua produção for reduzida, como em épocas chuvosas ou à noite. Com ele, a ervateira terá uma redução estimada de 98% na conta da luz, que chegava a 2.500 reais por mês.

O valor economizado será utilizado para quitar parcelas do financiamento feito junto ao Banco do Brasil para viabilizar a implantação, livrando assim a empresa de ter que alterar seu fluxo de caixa. O valor investido estará quitado em cinco anos e meio e, a partir daí , a empresa terá a energia praticamente de graça já que o custo de manutenção das placas é baixo, restringindo-se à limpeza e manutenção das estruturas.

A família Gheno iniciou em 2006 uma pequena produção de erva-mate que ainda era processada em fábricas terceirizadas. Em 2011 colocou sua própria estrutura de secagem. Atualmente, cerca de 15% da matéria-prima que utiliza vem do seu próprio cultivo e o restante é adquirido das propriedades vizinhas do entorno do Parque. Embora a empresa possua marca própria no mercado, a Erva Mate Gheno, a maior parte de sua produção é fornecida para a indústria Leão Alimentos de Bebidas que fabrica os chás da marca Matte Leão.

FONTE – canalenergia.com.br