,

Sistema de energia solar na casa contribui com meio ambiente e retorna investimento em até 6 anos, dizem especialistas

Segundo engenheiros, dados estimam que a conta de energia pode ser em torno de R$ 50 em uma casa com quatro pessoas. Sorocaba e Jundiaí já tem adeptos ao sistema.

Sistema de energia solar contribui com o meio ambiente e retorna investimento em até 6 anos — Foto: Divulgação/SunMobiSistema de energia solar contribui com o meio ambiente e retorna investimento em até 6 anos — Foto: Divulgação/SunMobi

O sistema de energia gerada pela luz solar vem conquistando novos clientes cada vez mais na região justamente porque promete uma conta de energia mais barato..

A energia solar é obtida por meio da conversão da luz do sol em eletricidade pelo efeito fotovoltaico.

Segundo Alexandre Bueno, sócio de uma startup de Araçoiaba da Serra (SP), o processo se resume basicamente quando as partículas de luzes solares se encontram o painel solar, onde colidem com os átomos do material do painel e provocando uma corrente elétrica que carrega as baterias.

As previsões apontam que, em 2024, o Brasil terá aproximadamente 887 mil sistemas de energia solar instalados por todo território.

De acordo com a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), a energia solar ganhou conhecimento no país em 2012, quando entrou em vigor uma resolução normativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Ela permite ao consumidor brasileiro o direito de gerar a própria energia a partir de fontes renováveis.

Atualmente, em Sorocaba, existem 185 consumidores residenciais, comerciais e industriais que usam este tipo de energia, de acordo com levantamento feito pela Envo (braço da CPFL na energia solar) neste ano, junto com dados da ANEEL. Já a cidade de Jundiaí (SP) possui 120 consumidores.

Não há necessidade de fazer qualquer reforma no imóvel, basta instalar os painéis. Por exemplo, em uma casa com quatro pessoas, em que uma conta de energia pode ser de, em média , R$ 250, cairia para R$ 50 o mês, conforme explica Alexandre.

Porém, o preço do investimento inicial não atrai muita pessoas, que é em torno de R$ 15 a R$ 20 mil reais. Este valor, ao longo do tempo,é revertido em contas de energia cerca de 95% mais baratas. Conforme o uso, é retornado em até 6 anos de acordo com a energia consumida

Moradores apostam em energia solar — Foto: Reprodução/TV TEMMoradores apostam em energia solar — Foto: Reprodução/TV TEM

O engenheiro eletricista Anderson Demetrios explica que, apesar do serviço, o uso da energia fornecida pela concessionária não é dispensada.

“O gasto da energia se dá por ‘créditos’. Por exemplo, em um dia ensolarado, as placas fotovoltaicas vão gerar muita energia, porém o morador pode não consumir tudo em um dia só. Então, você acumula ‘créditos’ para utilizar a energia outro dia. No inverno ou em dias de pouco sol, as placas podem não absorver a energia necessária. Então, os créditos acumulados são usados, ou seja, muitas vezes o dia ensolarado acumula créditos para o dia em que não tem sol”, conta.

Ele ainda conta que o sistema de acúmulo de créditos ficam armazenados até cinco anos após o acúmulo.

“Eles podem também ser utilizados em outro local, como por exemplo, um morador que tem um comércio ou consultório na mesma região de cobertura da empresa, ele pode utilizar os créditos em outro lugar”, explica.

Energia sem poluentes

Ainda segundo Alexandre Bueno, ao utilizar a energia solar, o consumidor deixa de usar fontes, como térmicas a carvão ou a gás natural. Também evita a emissão de poluentes que podem ser gerados por esses tipos de usinas, como óxidos de enxofre e de nitrogênio.

Segundo a Associação Brasileira de Energia Fotovoltaica (ABSOLAR), em 2018, o Brasil instalou 1,2 gigawatts pelo país, totalizando 2,4 gigawatts instalados. O estado de Minas Gerais está em primeiro no ranking dos estados brasileiros que mais utiliza energia solar.

Ao G1, um morador de Sorocaba (SP) comenta que passar a ter energia solar foi uma das melhores aquisições que fez este ano.

“Instalei os painéis há seis meses em minha casa e minha empresa e foi um dos melhores investimentos que fiz. Com o sistema de acúmulo de créditos, consigo utilizar o que ‘sobra’ em minha empresa, rebatendo então os créditos. Daqui a alguns anos, terei energia de graça”, conta.

FONTE – g1.globo.com