Setor de cabos tenta pegar carona em energia solar

Brasil ganhou 41 mil usinas fotovoltaicas em apenas dois anos

Um estudo divulgado recentemente pela consultoria Bloomberg New Energy Finance aponta que o Brasil deve receber quase US$ 100 bilhões em investimentos em energia solar até 2040. Antes ignorada por causa de seu alto custo de implantação, a fonte fotovoltaica já é uma realidade no maior país da América Latina, e seu crescimento vem movimentando a cadeia de fornecedores do setor.

“Os investimentos bilionários no setor [de energia fotovoltaica] já impactam na busca por fios e cabos especiais que possam acompanhar a tecnologia e o aprimoramento das placas fotovoltaicas. Percebemos fabricantes ávidos por matérias-primas capazes, eficientes, competitivas e que atendam todas as normas exigidas pelo setor”, diz à ANSA Paulo Garnica, dono da FG Wire e da FG Resinas, fabricantes de compostos para cabos, inclusive fotovoltaicos.

Segundo ele, a empresa está “pronta e ávida” para atender ao crescimento da demanda. “Já percebemos isso em nosso portfólio. Atualmente, a demanda por matérias-primas e masterbatches [composto usado para dar cor a produtos de plástico] para a linha de energia fotovoltaica cresce mensalmente”, acrescenta Garnica, que busca a liderança no mercado brasileiro.

O executivo conta que a FG mostrará seus produtos voltados para energia solar na próxima edição da Wire South America, feira de fios e cabos realizada pela Messe Düsseldorf e organizada pela Cipa Fiera Milano. O evento acontece de 1º a 3 de outubro, no São Paulo Expo, zona sul da capital paulista, paralelamente à 10ª edição da Tubotech, dedicada a tubos, válvulas, bombas e conexões.

Crescimento

O Brasil vem recebendo investimentos bilionários em energias renováveis nos últimos anos, inclusive por meio de gigantes mundiais do setor, como a italiana Enel, dona de alguns dos maiores parques eólicos e fotovoltaicos do país.

Segundo estudo divulgado em maio pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), cerca de 41 mil usinas de energia solar foram instaladas no Brasil entre 2016 e 2018. Isso elevou a participação da fonte fotovoltaica na matriz energética nacional de 0,1% para 1,4%. Quando se soma os parques eólicos, o índice ultrapassa os 10%.

“A concorrência saudável é extremamente importante para o desenvolvimento sustentável do Brasil. A chegada de gigantes nos prestigia e mostra que o mundo está acreditando novamente em nosso país”, afirma o dono da FG Wire.

Garnica prevê também que o setor de energia solar tenha uma importância cada vez maior para o mercado de fios e cabos. “A energia fotovoltaica é a bola da vez”, sentencia.

FONTE – terra.com.br

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *